Pular para o conteúdo principal

Paulo César Feital

Paulo César Feital é autor/compositor, poeta e teatrólogo. Aos quatorze anos, sua primeira música foi gravada por Moreira da Silva. Compositor gravado por grandes intérpretes da MPB, como Milton Nascimento, Nana Caymmi, Chico Buarque, Emílio Santiago, Alcione, Beth Carvalho, Leny Andrade, MPB-4, Danilo Caymmi, Quarteto em Cy, João Nogueira, Zezé Mota, Cauby Peixoto, Pery Ribeiro, Tim Maia, Selma Reis, Sandra de Sá, entre outros, e, no exterior, por Luz Marina, Don Barrows, Lucho Gatica e Barry Mannylow, soma uma discografia de mais de 400 músicas.

Fazem parte de sua autoria sucessos como: Saigon, Perfume Siamês, Dias de Lua, Cinelândia, No Analices, Meu Louco, Bolero de Neblina, Brasil de Oliveira da Silva do Samba, Quarenta anos, Meu Louco entre outros.

Tem como parceiros, reconhecidos nomes do cenário musical do país: Nelson Cavaquinho, Guinga, Suely Costa, Elton Medeiros, Francis Hime, João Nogueira, Jorge Vercilo, Jota Maranhão, Carlinhos Vergueiro, Gilson Peranzzetta, Jorge Aragão, Luiz Carlos da Vila, Lenine, Hélio Delmiro, Cristóvão Bastos, Roberto Menescal, Jorge Simas, Cláudio Cartier, Altay Veloso, para citar alguns.

No Cinema, assinou as trilhas musicais do curta-metragem Colônia Juliano Moreira e a incidental do longa Lucio Flávio o Passageiro da Agonia. No teatro, as trilhas de Subo nesse Palco e Temporal. Ainda no teatro, é autor das peças Lua com Limão, O Primo do Presidente, Beto, Filho de Mayra e o infantil Chorinho de Pelúcia.

Como diretor, esteve à frente de grandes espetáculos: 50 anos de Elizeth Cardoso, De amor é Bom, Xingu e Farmacopéia, com João Nogueira”, 40 anos de Elis, Viva Clara, ao lado de Fagner, Chico Buarque, Beth Carvalho e João Nogueira, 15 anos de Carlinhos Vergueiro, Corrente de Aço com Roberto Ribeiro, entre outros.

Feital foi incluído nos livros Antologia dos 50 Maiores Poetas Cariocas do Século, de Olga Savari, e Antologia da Música Brasileira, de Haroldo Costa. Venceu vários prêmios, como o Sharp, de música, Prêmio Castro Alves de Sonetos e Festival Internacional Latino Americano, entre outros.

Na década de 80, a convite do compositor João Nogueira, assume a direção artística do Clube do Samba.

Na década de 90, criou a Companhia da Ilusões musical que com Altay Veloso, Clarisse Grova e Aladim e mais tarde, Ninah Jô, Silvia e Penha Reges, cantou o Brasil em vários shows.

Com o Compositor Carlinhos Vergueiro, realiza o espetáculo “ Musica nos tempos do Collera” que fica em cartaz durante uum ano em São Paulo.

Em 2002, Com o compositor e instrumentista Jorge Simas, gravou seu 3º CD “Carta ao Rei”, com participações especiais de Chico Buarque, Paulo Moura, Leny Andrade, Selma Reis, Carlinhos Vergueiro, Rildo Hora e Cris Delanno.

Ainda em 2002 participa como convidado do espetáculo “Neste Palco Iluminado” produzido pela Tropical Sul Produções; produziu e dirigiu o cd e o show Filha da pátria, de Cris Delanno. Escreveu, em parceria com a psicanalista Eliza Maciel, a peça E Daí, Isadora?, com direção de Bibi Ferreira, e estrelada por Tânia Alves e Jalusa Barcellos.

Gravou em 2003 o cd “Ofício: Brasileiro” (Selo Mec-BR), em que registrou algumas das mais importantes composições de sua carreira ao lado dos principais parceiros. Assumiu a direção do musical, Alabê de Jerusalém que em 2004 se apresentou no Canecão- RJ, Teatro Municipal de Niterói e circuito SESC.

Em 2005 assume a Produção artística dos CDs (Minas- Marcio Lott e Nordeste – Eudes Fraga) do Selo Radio Mec.
2006 – ano em que o poeta começa a escrever seu livro de sonetos; cria o espetáculo “ Pelos Bancos do Brasil” e “ Seu Sebastião do Rio de Janeiro”, e assume a supervisão artística da ópera negra “ Alabê de Jerusalém de Altay Veloso.

Em 2007 assume a montagem da ópera Alabê de Jerusalém no Theatro Municipal do Rio de Janeiro; Escreve em parceria com a roteirista Eliza Maciel o espetáculo “ Fragmentos de um país que samba e chora”; finaliza seu livro de sonetos, seleciona repertório para seu próximo CD; tem musicas gravadas por Alcione, Fátima Guedes, Jorge Vercilo, entre outros e, começa a escrever um texto teatral para 2008. (monólogos).

Começa o ano de 2008, com mais uma temporada do musical “Neste Palco Iluminado” junto com a cantora Claudette Ferraz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ruy Guerra

Ruy Alexandre Guerra Coelho Pereira (Lourenço Marques, atual Maputo, 22 de Agosto de 1931) é um realizador de cinema, poeta, dramaturgo e professor nascido em Moçambique, então território português. Vive no Brasil desde 1958.
Estudou no Institut des hautes études cinématographiques (IDHEC) de Paris a partir de 1952. Até 1958, atuou como assistente de direção, antes de se instalar no Brasil, onde dirigiu seu primeiro filme, Os Cafajestes (1962).
Ingressando nas fileiras do Cinema Novo, em 1964 realizou seu melhor filme, Os Fuzis, ao qual se seguiram obras notáveis como Tendres chasseurs (1969) e Os Deuses e os Mortos (1970).
A situação política brasileira durante a ditadura militar impôs-lhe uma pausa que terminaria em 1976 com A Queda.
Em 1980 regressou a Moçambique, então já independente, onde rodou Mueda, Memória e Massacre, o primeiro longa-metragem desse país.
Ainda em Moçambique, realizou diversos curtas e contribuiu para a criação do Instituto Nacional do Cinema. Viveu e trabal…

Torquato Neto

Torquato Pereira de Araújo Neto (Teresina, 9 de novembro de 1944 — Rio de Janeiro, 10 de novembro de 1972) foi um poeta brasileiro, jornalista, letrista de música popular, experimentador ligado à contracultura.
Torquato Neto era o único filho do defensor público Heli da Rocha Nunes (1918 - 2010) e da professora primária Maria Salomé da Cunha Araújo (1918 - 1993).
De Teresina, mudou-se para Salvador aos 16 anos para os estudos secundários, onde foi contemporâneo de Gilberto Gil no Colégio Nossa Senhora da Vitória (Marista) e trabalhou como assistente no filme Barravento, de Glauber Rocha.
Torquato envolveu-se ativamente na cena soteropolitana, onde conheceu, além de Gil, Caetano Veloso, Gal Costa e Maria Bethânia. Em 1962, mudou-se para o Rio de Janeiro para estudar jornalismo na universidade, mas nunca chegou a se formar. Trabalhou para diversos veículos da imprensa carioca, com colunas sobre cultura no Correio da Manhã, Jornal dos Sports e Última Hora.
Torquato atuava como um agente…

Paulo César Pinheiro

Paulo César Pinheiro (1949) é um compositor, letrista, poeta e escritor brasileiro. Parceiro de João de Aquino, Baden Powell, Pixinguinha, Tom Jobim, Francis Hime, Ivan Lins, Edu Lobo, Toquinho, Lenine, entre outros, teve suas músicas gravadas por grandes nomes da MPB. Compôs trilhas sonoras para a televisão, teatro e cinema.
Paulo César Francisco Pinheiro (1949) nasceu no Rio de Janeiro, no dia 28 de abril de 1949. Ainda menino já escrevia poesias. Com 14 anos, em parceria com João de Aquino, escreveu sua primeira composição “Viagem”, que foi gravada por diversos interpretes. Aos 15 anos iniciou sua parceria com o violonista Baden Powell. Dessa parceria, sua música “Lapinha” interpretada por Elis Regina foi a vencedora da I Bienal do Samba da TV Record, em São Paulo, em 1968. Paulinho, como era chamado, tinha apenas 18 anos.
Ainda em 1968, em parceria com Francis Hime, escreveu “A Grande Ausente” defendida por Taiguara no III Festival da Música Popular Brasileira, sendo classificada…