Pular para o conteúdo principal

Ronaldo Bastos

Ronaldo Bastos Ribeiro, iniciou sua carreira artística compondo, em parceria com Milton Nascimento, a canção "Três pontas", seguida por "Fé cega, faca amolada" e "Nada será como antes", dentre várias outras registradas em discos do parceiro.
Em 1973 sua composição "Cravo e canela" (c/ Milton Nascimento) foi registrada por Caetano Veloso no LP "Araçá azul".
Na década de 1980, sua canção "Um certo alguém" (c/ Lulu Santos) obteve sucesso na gravação do parceiro.
Em 1989 lançou, pela Som Livre, o LP autoral "Cais", que incluiu "Fé cega, faca amolada", "Cais", "Circo marimbondo", "Nada será como antes", todas com Milton Nascimento, "O trem azul" e "Sonho real", ambas com Lô Borges, "Amor de índio" e "A página do relâmpago elétrico", ambas com Beto Guedes, "Bons amigos" (c/ Toninho Horta) e "Todo azul do mar" (c/ Flávio Venturini), na interpretação de artistas como Caetano Veloso, Gal Costa, Tom Jobim, Milton Nascimento, Chico Buarque, Alceu Valença, entre outros.
Destacou-se, como versionista, pela autoria de "Nada mais" (versão de "Lately", de Steve Wonder, gravada por Gal Costa) e "Quando te vi" (versão de "Till There Was You", de John Lennon e Paul McCartney, registrada por Beto Guedes). Assinou transcrição para o inglês de sua canção "Nada será como antes" (c/ Milton Nascimento), que recebeu o título de "Nothing Will Be as It Was". A música foi gravada por Sarah Vaughan e incluída no disco "Brazilian Romance".
Atuou como produtor musical, em discos de Milton Nascimento, Beto Guedes, Nana Caymmi, Toninho Horta, Lô Borges e João Penca, entre outros.
É fundador da Nuvem Cigana, tendo atuado, com Cafi, em capas de discos de Nana Caymmi, Milton Nascimento e Sueli Costa, entre outros.
Em 1994, criou o selo Dubas Música, responsável pelo lançamento de discos de Toninho Horta, Flávio Venturini, Família Roitman Arranco, Jussara Silveira, Pedro Luís, Boato, Bia Grabois e Affonsinho, entre outros, além de seus discos autorais.
Lançou, com Celso Fonseca, os CDs "Sorte" (1994) e "Paradiso" (1997), que registraram canções da dupla, interpretadas pelo violonista. O disco "Paradiso" foi apontado como um dos melhores lançamentos do ano.
Em 1995, o disco "Cais" foi relançado em CD pela Dubas Música.
Em 2002, lançou o CD "Juventude/Slow motion bossa nova", com Celso Fonseca, fechando a trilogia que incluiu "Sorte" e "Paradiso". No repertório, suas canções "Samba é tudo", "Satélite bar", "Valeu", "Ledusha com diamantes", "A voz do coração", "Dylan em Madrid", "Feito pra você", "Miles ahead of time", "O sorriso de Angkor", "Meu Carnaval", "Juventude" e "Slow motion bossa nova", todas de sua parceria com o intérprete Celso Fonseca, além de "O que restou do nosso amor", sua versão para "Que reste-t-il de nos amours" (Léo Chauliac e Charles Trenet) e "La piú bella del mondo" (Marino Marini). O disco, financiado em parte pelo publicitário Washington Olivetto, contou com sua direção artística, produção e arranjos de Celso Fonseca e arranjos e regência de cordas de Eduardo Souto Neto.
Em 2007, lançou, em parceria com Celso Fonseca, o CD "Polaróides", contendo, além de uma seleção de faixas dos três discos anteriores da dupla, "Sorte" (1994), "Paradiso" (1997) e "Juventude/Slow motion bossa nova" (2002), uma regravação da canção "Sorte", em formato voz e violão, a inédita "Meu tudo pra mim", gravada especialmente para o novo disco, a canção "A noite é meu ópio", originalmente gravada por Nana Caymmi no CD "Alma serena" (1996), e ainda "My broken heart", retirada do CD "River Gauche Rio", lançado por Celso Fonseca, todas na voz do parceiro.
Faz parte da diretoria da União Brasileira de Compositores (UBC), bem como do conselho editorial de "Pauta", revista especializada, publicada por essa entidade.
Constam também da relação dos intérpretes de suas canções vários artistas e grupos, como Sandra de Sá, Ed Motta, Ângela Maria, Nouvelle Cuisine, Adriana Calcanhoto, Marina Lima, Titãs, Paralamas do Sucesso, Elis Regina, Flávio Venturini, Maria Bethânia, Cauby Peixoto, Gilberto Gil, Johnny Alf, Tim Maia, Edu Lobo, Nana Caymmi, Caetano Veloso, Gal Costa, Ney Matogrosso, Beto Guedes, Sarah Vaughan, entre outros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paulo César Feital

Paulo César Feital é autor/compositor, poeta e teatrólogo. Aos quatorze anos, sua primeira música foi gravada por Moreira da Silva. Compositor gravado por grandes intérpretes da MPB, como Milton Nascimento, Nana Caymmi, Chico Buarque, Emílio Santiago, Alcione, Beth Carvalho, Leny Andrade, MPB-4, Danilo Caymmi, Quarteto em Cy, João Nogueira, Zezé Mota, Cauby Peixoto, Pery Ribeiro, Tim Maia, Selma Reis, Sandra de Sá, entre outros, e, no exterior, por Luz Marina, Don Barrows, Lucho Gatica e Barry Mannylow, soma uma discografia de mais de 400 músicas.

Fazem parte de sua autoria sucessos como: Saigon, Perfume Siamês, Dias de Lua, Cinelândia, No Analices, Meu Louco, Bolero de Neblina, Brasil de Oliveira da Silva do Samba, Quarenta anos, Meu Louco entre outros.

Tem como parceiros, reconhecidos nomes do cenário musical do país: Nelson Cavaquinho, Guinga, Suely Costa, Elton Medeiros, Francis Hime, João Nogueira, Jorge Vercilo, Jota Maranhão, Carlinhos Vergueiro, Gilson Peranzzetta, Jorge Arag…

Paulo César Pinheiro

Paulo César Pinheiro (1949) é um compositor, letrista, poeta e escritor brasileiro. Parceiro de João de Aquino, Baden Powell, Pixinguinha, Tom Jobim, Francis Hime, Ivan Lins, Edu Lobo, Toquinho, Lenine, entre outros, teve suas músicas gravadas por grandes nomes da MPB. Compôs trilhas sonoras para a televisão, teatro e cinema.
Paulo César Francisco Pinheiro (1949) nasceu no Rio de Janeiro, no dia 28 de abril de 1949. Ainda menino já escrevia poesias. Com 14 anos, em parceria com João de Aquino, escreveu sua primeira composição “Viagem”, que foi gravada por diversos interpretes. Aos 15 anos iniciou sua parceria com o violonista Baden Powell. Dessa parceria, sua música “Lapinha” interpretada por Elis Regina foi a vencedora da I Bienal do Samba da TV Record, em São Paulo, em 1968. Paulinho, como era chamado, tinha apenas 18 anos.
Ainda em 1968, em parceria com Francis Hime, escreveu “A Grande Ausente” defendida por Taiguara no III Festival da Música Popular Brasileira, sendo classificada…